Resenha | No terror ‘Calmaria Forçada’, os personagens precisam enfrentar o passado e o sobrenatural

A escritora Rosane Montalvão não pega leve com os personagens de Calmaria Forçada, seu primeiro romance. Eles sofrem todo tipo de violência ao longo do livro, e são obrigados a revisitar feridas do passado que nunca cicatrizaram.

Continuar lendo “Resenha | No terror ‘Calmaria Forçada’, os personagens precisam enfrentar o passado e o sobrenatural”

Resenha | Rápido e divertido, ‘Depois’ mostra que Stephen King continua em ótima forma

Talvez O sexto sentido tenha sido a principal inspiração de Stephen King para escrever Depois. Ambos apresentam garotos que interagem com pessoas mortas, e o filme é citado no texto mais de uma vez. Mas ao contrário do longa de M. Night Shyamalan, no qual os fantasmas pedem ajuda ao menino, no livro são os vivos que precisam do auxílio dos mortos.

Continuar lendo “Resenha | Rápido e divertido, ‘Depois’ mostra que Stephen King continua em ótima forma”

Resenha | “Condado Maldito 2”: o que faz de algo (ou alguém) um monstro?

Eu tenho lido muitas HQs ultimamente, e uma das séries que mais estou gostando de acompanhar é Condado Maldito. A DarkSide, em parceria com a Macabra TV, acaba de lançar o segundo volume no Brasil, intitulado Maus Presságios — serão 8 no total.

Continuar lendo “Resenha | “Condado Maldito 2”: o que faz de algo (ou alguém) um monstro?”

Resenha | O terror implícito e cotidiano de Mariana Enríquez em “As coisas que perdemos no fogo”

É difícil definir o gênero literário das histórias reunidas em As coisas que perdemos no fogo, da argentina Mariana Enríquez. Seria Terror? Alguns dos contos utilizam elementos sobrenaturais e remetem a mestres como Stephen King e H. P. Lovecraft (apesar das diferenças, é impossível não lembrar de Carrie, a estranha ao ler Fim de ano; ou não pensar em divindades monstruosas e lovecraftianas em Sob a água negra).

Mas, na maioria das histórias, Enríquez apenas sugere uma presença sobrenatural para criar um ambiente assustador, sendo que essa presença nem sempre se manifesta explicitamente. Pelo contrário, pouca coisa é explicada.

Continuar lendo “Resenha | O terror implícito e cotidiano de Mariana Enríquez em “As coisas que perdemos no fogo””