The handmaid’s tale (uma série que todos devem assistir)

Antes tarde do que nunca. No último domingo, terminei de assistir a primeira temporada de uma das séries mais elogiadas dos últimos anos: The handmaid’s tale. Ela é baseada no romance de mesmo nome da escritora Margaret Atwood, que foi traduzido no Brasil como O conto da aia. Apesar de ter sido publicado em 1985, o livro apresenta uma trama que tem paralelos assustadores com os dias atuais.

The handmaid’s tale é uma distopia que se passa numa época contemporânea à nossa. Na série, os Estados Unidos deixaram de existir e, em seu lugar, foi instituída a República de Gilead.

O novo governo, militarizado e ditatorial, baseia suas leis nos livros do Antigo Testamento e mantém a população sob constante vigilância. Qualquer desobediência ou “desvio moral” pode levar a penas que incluem mutilações e apedrejamentos.

As aias Offred (Elisabeth Moss) e Ofglen (Alexis Bledel).

Uma das maiores preocupações dos governantes de Gilead (autodenominados “Filhos de Jacó”) é a queda drástica da taxa de natalidade. Essa condição é vista como um castigo divino.

Pra combater essa situação, todas as mulheres férteis foram obrigadas a se tornarem aias. Traduzindo: escravas sexuais utilizadas para fins de reprodução. É esse papel social que June, a protagonista de The handmaid’s tale, é forçada a assumir.

June (interpretada pela ótima Elisabeth Moss) é separada de seu marido e de sua filha e se torna a aia da casa do Comandante Fred Waterford. Lá, ela é obrigada a ter relações sexuais mensalmente (durante seu período fértil) com ele, sabendo que, se engravidar, deverá entregar a criança para a esposa do comandante, Serena Joy.

June também precisa abrir mão do próprio nome e passa a ser chamada de Offred (junção de “Of Fred”, ou “do Fred”, em português), para deixar claro que ela é uma propriedade do patrão.

As aias descansam próximas ao corpo de um “pecador”.

A condição feminina, sem dúvida, é o principal tema de The handmaid’s tale. Na série, e no livro de Margaret Atwood, as situações acontecem numa escala ampliada, mas servem para criticar e denunciar a realidade vivida pela maioria das mulheres.

Na série, o governo de Gilead defende que as mulheres devem ser submissas. Os “Filhos de Jacó” acreditam que a única função que uma mulher pode ter é se tornar mãe. Elas são vistas como menos inteligentes. São consideradas pecadoras em sua essência.

Quantas pessoas no mundo real não pensam assim?

Esses preconceitos atingem até a personagem Serena Joy. Mesmo tendo sido uma das teóricas da revolução realizada pelos “Filhos de Jacó”, a esposa do comandante não tem autorização para participar do governo.

Da esq. para a dir.: a escritora Margaret Atwood e o elenco feminino da série: Elisabeth Moss, Alexis Bledel, Samira Wiley (Moira), Ann Dowd (Tia Lydia), Madeline Brewer (Ofwarren) e Yvonne Strzechowski (Serena).

The handmaid’s tale também trata de outros temas que dominam os noticiários nos dias de hoje: a luta pelas liberdades individuais (inclusive sexuais), os perigos do fundamentalismo religioso, o crescimento do conservadorismo… Ou seja: mesmo se baseando num livro de 1985, é uma série extremamente atual.

Acho que todos devem assistir The handmaid’s tale. Em primeiro lugar, pois é uma história muito bem contada, com excelentes atuações e que se destacou nas principais premiações do ano passado.

E em segundo lugar, mas mais importante ainda, porque embora Gilead possa parecer apenas uma alegoria ficcional e distante, não podemos esquecer que vivemos no mesmo mundo que Trump, Bolsonaro, Putin, dos extremistas do Estado Islâmico e afins. E que o número de seus admiradores não é pequeno, assim como os defensores de Hitler, da KKK e da ditadura brasileira.

Fiquemos alertas.

Imagens extraídas da internet.

4 comentários em “The handmaid’s tale (uma série que todos devem assistir)

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s