A vastidão da noite: um filme repleto de referências e criatividade

As inspirações para A vastidão da noite são evidentes: a série Além da imaginação, as ficções científicas de Steven Spielberg (especialmente Contatos imediatos de terceiro grau), a adaptação radiofônica de A guerra dos mundos, apresentada por Orson Welles em 1938, e o caso Roswell (não por acaso a história do filme se passa numa cidadezinha do Novo México). Ainda assim, o longa de estreia de Andrew Patterson tem frescor e compensa seu orçamento modesto com soluções muito criativas.

Os protagonistas são a telefonista Fay (Sierra McCormick) e o radialista Everett (Jake Horowitz), que tentam identificar um estranho som captado por eles. Depois de transmitir o áudio pelo rádio, eles recebem ligações de dois ouvintes que juram já ter ouvido aquele ruído antes. Seus relatos envolvem segredos militares e alienígenas. Não demora pra que algumas pessoas comecem a relatar visões de objetos no céu.

Apesar de ter um ritmo lento no início, A vastidão da noite ganha urgência assim que o mistério se instala. Fey e Everett estão praticamente sozinhos, já que quase toda a população da cidade está assistindo ao jogo de basquete do time da escola municipal. O filme se passa na década de 1950 e isso confere uma certa ingenuidade aos personagens. Eles são curiosos, inteligentes e sabem que aquela descoberta pode lhes dar notoriedade, mas mal imaginam com o quê estão lidando.

Uma estreia promissora

A vastidão da noite não depende de efeitos especiais para dar o seu recado, embora eles estejam presentes com moderação. A força do filme está no roteiro e nas interpretações. Tanto que as cenas mais intensas são os relatos do ex-militar negro Billy (com direito a uma sutil crítica social) e da senhora Mabel Blanche. Essas cenas são conduzidas basicamente pela voz dos atores — a tela chega a ficar escura algumas vezes — e isso é o suficiente para encher o espectador de tensão. Não há flashbacks ilustrando essa falas e eles não fazem falta nenhuma. O relato de Mabel Blanche prepara o terreno para a cena do carro, que é outra sequência absurdamente boa.

A vastidão da noite é uma grande surpresa. O filme é muito bem dirigido, tem belos planos-sequência e, mesmo com seu andamento mais lento, prende completamente a atenção do espectador. O longa foi produzido de forma totalmente independente e, depois de se destacar no Slamdance Festival de 2019, teve seus direitos de distribuição comprados pela Amazon, que o disponibilizou no catálogo do Amazon Prime Video. Tomara que a carreira de Andrew Patterson seja tão boa e criativa quanto sua estreia, pois promissora ela já é.


Avaliação: 4.5 de 5.

A VASTIDÃO DA NOITE
Direção: Andrew Patterson
Roteiro: James Montague e Craig W. Sanger
Elenco: Sierra McCormick, Jake Horowitz
Duração: 89 minutos
Onde assistir: Amazon Prime Video


Postado por Lucas Furlan

É formado em Comunicação Social e trabalha com criação de conteúdo para a internet. Toca guitarra e adora música e cinema, mas, antes de tudo, é um leitor apaixonado por livros.

Um comentário em “A vastidão da noite: um filme repleto de referências e criatividade

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s