Resenha | O auto da maga Josefa, de Paola Siviero

O AUTO DA MAGA JOSEFA
Autora: Paola Siviero
Editora: Dame Blanche
Páginas: 250
Avaliação: 5-estrelas-otimo / Ótimo
Onde comprar: Amazon

Se você acompanha canais literários na internet, provavelmente já ouviu falar de O auto da maga Josefa, da escritora Paola Siviero. O livro, lançado no ano passado e disponível apenas no formato digital, vem recebendo inúmeros elogios — e eles são muito merecidos.

Josefa, Toninho e Véia

O auto da maga Josefa é uma fantasia que se passa no Nordeste do Brasil em meados do século XX. Toninho, um caçador de demônios, e a maga Josefa — sempre acompanhados de Véia, uma mula encantada — unem forças e viajam de cidade em cidade eliminando as criaturas sobrenaturais que assombram a região. E essas criaturas são muitas: vampiros, lobisomens, dragões, demônios, chupa-cabras… Cada capítulo narra o confronto dos protagonistas com um desses seres.

Toninho e Josefa possuem gênios muito diferentes, mas formam uma ótima dupla. A química e os diálogos entre eles são os pontos altos do livro. Porém, uma questão que pode abalar a relação entre os dois logo vem à tona: Josefa é uma maga (ou seja, sua mãe é humana e seu pai é o diabo em pessoa) e, por isso, ela está tão condenada ao inferno quanto as criaturas que ela enfrenta. Sendo assim, por que ela persegue e mata seus “irmãos”? Quais segredos a maga esconde de Toninho?

A escritora Paola Siviero.

O auto da maga Josefa é muito engraçado, com humor por vezes ingênuo, por vezes absurdo. O auto da compadecida, clássico de Ariano Suassuna, é uma influência clara. O texto tem ótimas sacadas:

“[Toninho] Sacou a peixeira, pois não tinha certeza de que tipo de criatura se tratava. Sua lâmina tinhas poderes diversos: era de prata, para dar conta de lobisomens; benzida, para enviar demônios de volta ao inferno; amaldiçoada, caso enfrentasse anjos caídos; banhada em veneno de cobra, se tivesse que acabar com chupa-cabras ou mulas-sem-cabeça, e bem afiada, para dar cabo de cabras safados.”

Mix de mitologias e tradições

Mas mesmo sendo muito divertido, o livro também aborda temas sérios, como a fome, a seca e o preconceito religioso. Paola Siviero trata de todos esses assuntos com leveza, misturando elementos de diferentes culturas e mitologias com várias tradições nordestinas.

(Falando em mistura, existe uma referência a Lobo de rua, de Jana P. Bianchi. Será que vem um crossover por aí?)

Se você está procurando um livro original, leve, rápido, engraçado e muito bem escrito, O auto da maga Josefa é a obra pra você!

Um comentário em “Resenha | O auto da maga Josefa, de Paola Siviero

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s