6 dicas de críticos de cinema que vão te ajudar a escrever resenhas melhores

Um dia desses, encontrei no catálogo do Kindle Unlimited um e-book muito interessante, chamado Cinema para Toda a Vida. Ele foi o trabalho de conclusão da faculdade de jornalismo dos autores, Gabriel Fabri e Giulia Covre.

O texto apresenta perfis de seis grandes críticos de cinema brasileiros: Isabela Boscov, Rubens Ewald Filho (1945-2019), Inácio Araújo, Luiz Carlos Merten, Suzana Uchôa Itiberê e Sérgio Rizzo. Através de entrevistas realizadas em 2015, os críticos falam sobre suas trajetórias na profissão e expõem suas opiniões sobre o que constitui uma boa crítica, sempre sob a ótica do jornalismo.

Apesar de serem voltadas para a crítica cinematográfica, acredito que suas dicas também são interessantes para quem escreve resenhas literárias. Por isso, separei minhas frases preferidas de cada um e as compartilho aqui com vocês.

“Você tem que ter certeza de que vai poder dizer na cara do cineasta aquilo que você escreveu. (…) Você não pode ser leviano de falar o que quiser porque o diretor nunca vai ler uma resenha em português, e nem pode adoçar uma pílula amarga porque o cara é brasileiro e você pode encontrá-lo aqui ou ali.”

Isabela Boscov

“O meu crédito hoje é muito grande, passaram a me tratar como o único que respeita o trabalho alheio, mas também tem a língua solta. Tem que ter um pouquinho também, tem que falar a verdade, mas não precisa humilhar as pessoas. Eu tento sempre ser gentil, educado e falar a verdade.”

Rubens Ewald Filho

“O cara repetir o que eu vi não me interessa, prefiro um olhar diferente do meu. Quando é diferente, ele me agrega algo. A função da crítica não é ensinar, mas é de cultivar uma espécie de diálogo com as pessoas que querem dialogar.”

Inácio Araújo

“Todo mundo vê o mesmo filme, mas o recria no inconsciente, segundo a sua sensibilidade e inteligência. Então a pessoa que está ao meu lado pode não ver nada que eu vejo.”

Luiz Carlos Merten

“Não se iluda de que escrever é falar o que você gostou ou não gostou. Tem que ter embasamento, tem que estudar.”

Suzana Uchôa Itiberê

“Se você fica cuspindo jargões, como se fosse muito esperto, no fundo você está posando de babaca. (…) Há certo entendimento de que quanto menos te entendem, mais inteligente você parecerá. Mas isso é uma estupidez, mais inteligente você será quando melhor te entenderem.”

Sérgio Rizzo

Se você se interessa pelo assunto, recomendo bastante a leitura de Cinema para Toda a Vida. Você vai encontrar várias outras observações que vão te ajudar a escrever críticas e resenhas cada vez melhores. Caso você não seja assinante do Kindle Unlimited, pode fazer um teste grátis de 30 dias neste link aqui.


Lucas Furlan é formado em Rádio e TV e trabalha com criação de conteúdo para a internet.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s