Resenha | A máquina do ódio, de Patrícia Campos Mello

Patrícia Campos Mello é uma jornalista experiente e premiada. Já cobriu guerras em barris de pólvora como Iraque, Síria e Afeganistão. Mas foi aqui no Brasil que ela vivenciou um tipo muito específico de ameaça.

Desde outubro de 2018, quando escreveu a matéria que revelou que empresários apoiadores do então candidato Jair Bolsonaro compraram disparos em massa de mensagens de WhatsApp contra Fernando Haddad, Patrícia vem sendo alvo de pesados ataques virtuais. Diversas notícias falsas (ou fora de contexto) e memes atacando sua honra e profissionalismo se espalharam pela internet.

Tudo ficou mais grave em fevereiro de 2020. Uma de suas fontes — um ex-funcionário de uma agência contratada para fazer os disparos — disse, durante depoimento à CPMI das Fake News e sem mostrar provas, que a jornalista tinha oferecido sexo em troca de informações. Patrícia negou e apresentou as trocas de mensagens entre eles, mas uma onda ainda maior de ataques teve início, com posts e mensagens cada vez mais ofensivos e misóginos. O presidente, seus filhos e apoiadores fizeram troça da situação.

A jornalista Patrícia Campos Mello. (Foto: Litercultura/Reprodução).

Em A máquina do ódio, Patrícia Campos Mello dá mais detalhes dessa sua experiência pessoal e explica como funcionam os mecanismos usados para difamar, intimidar e censurar adversários ou supostos opositores usando as redes sociais. Esses ataques virtuais estão longe de ser espontâneos: eles possuem método, são orquestrados e fazem parte do arsenal de vários políticos autoritários pelo mundo afora.

A autora também apresenta os riscos que a imprensa livre enfrenta nos dias atuais. Jornalistas estão sendo presos e mortos. Governantes colocam em dúvida a credibilidade de veículos de mídia independentes e os atacam economicamente. Assim, conseguem moldar e divulgar sua própria versão da história, que normalmente não corresponde à realidade. Isso acontece em países de esquerda e de direita, em ditaduras e em nações que ainda são, por enquanto, democráticas.

Patrícia Campos Mello aborda esses assuntos espinhosos de forma clara e quase didática, fazendo com que a leitura seja fluida e muito esclarecedora. A máquina do ódio é um livro obrigatório que reafirma a importância do jornalismo. Defendê-lo é defender a verdade e a democracia.


A MÁQUINA DO ÓDIO
Autora: Patrícia Campos Mello
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 196
Onde comprar: Amazon

eBook recebido através da parceria com o Grupo Companhia das Letras.


Postado por Lucas Furlan

É formado em Comunicação Social e trabalha com criação de conteúdo para a internet. Toca guitarra e adora música e cinema, mas, antes de tudo, é um leitor apaixonado por livros.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s