Resenha | Aqueles que abandonam Omelas, de Ursula K. Le Guin

Depois de Sons da fala, de Octavia E. Butler, e Acender uma fogueira, de Jack London, a Editora Morro Branco disponibilizou gratuitamente em seu site, dentro do Projeto Cápsula, mais um conto incrível: Aqueles que abandonam Omelas, de Ursula K. Le Guin. O texto foi publicado originalmente em 1973, e ganhou o Prêmio Hugo na categoria “Melhor conto” no ano seguinte.

Um acordo cruel

Le Guin nos apresenta a utópica cidade de Omelas, um local de paz e muita liberdade, onde está sendo realizado um Festival de Verão. Lá não existem armas, políticos, policiais e nem líderes religiosos. Também não acontecem crimes, pois a população é feliz vivendo apenas com o necessário. O uso de roupas não é obrigatório e o sexo é livre.

Até a metade do conto, Omelas é descrita como uma cidade leve, feliz e radiante, mas então entram em cena a genialidade e os questionamentos sociais e filosóficos de Ursula K. Le Guin. Isso porque descobrimos que a harmonia dessa cidade só existe graças a um acordo cruel e permanente. Não posso contar o que é para não tirar o impacto da sua leitura.

A escritora norte-americana Ursula K. Le Guin (1929-2018).

Desconfortável, mas indispensável

Em Aqueles que abandonam Omelas, Le Guin aborda temas como empatia e egoísmo, e as questões que ela propõe refletem nossa vida em sociedade. Afinal, quantas pessoas prejudicam outras para alcançar o sucesso profissional? Quantos indivíduos fazem questão de levar vantagem em tudo? Quantos apresentam um ar de bondade e felicidade, mas guardam segredos sombrios por dentro? Quantos acreditam que devem desprezar uma minoria, para, supostamente, satisfazer a maioria?

Mas não se trata apenas de apontar o dedo para os outros. A obra também pergunta: quanto VOCÊ estaria disposto a abrir mão de alguma conquista, se soubesse que ela está manchada por dor, mentiras e sofrimento?

Com pouquíssimas páginas, Aqueles que abandonam Omelas é um texto que faz pensar bastante. É um conto desconfortável, mas indispensável.


Avaliação: 5 de 5.

AQUELES QUE ABANDONAM OMELAS
Autora: Ursula K. Le Guin
Tradução: Heci Regina Candiani
Editora: Morro Branco
Páginas: 14
Onde ler: site da editora Morro Branco


Postado por Lucas Furlan

É formado em Comunicação Social e trabalha com criação de conteúdo para a internet. Toca guitarra e adora música e cinema, mas, antes de tudo, é um leitor apaixonado por livros.

Um comentário em “Resenha | Aqueles que abandonam Omelas, de Ursula K. Le Guin

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s