Resenha | O último voo das borboletas, de Kan Takahama

Vocês acreditam que O último voo das borboletas foi o primeiro mangá que eu li? Gostei muito da experiência e já quero conhecer outros trabalhos da Kan Takahama.

Aqui, a autora nos transporta para o século XIX, entre o fim da Era Edo e o início da Era Meiji. Foi um período movimentado na história do Japão, quando o país começou a se abrir para o Ocidente. Nessa época, a prostituição era legalizada no Japão, e alguns locais eram conhecidos por seus bordéis, como o distrito de Maruyama, em Nagasaki. É lá que vive Kichou, a protagonista da história.

Tayu

Mais do que uma simples cortesã, ela é uma das poucas mulheres a ter o status de tayu. Ou seja: Kichou é uma prostituta do mais alto padrão, que reúne qualidades como beleza, inteligência, graça e uma capacidade única de fazer com que os clientes se apaixonem por ela.

Mas apesar da fama e da vida glamorosa que leva, Kichou tem um lado melancólico e, logo fica claro, esconde um segredo. A revelação desse segredo é feita aos poucos, à medida que outros personagens vão aparecendo, como o médico holandês Doutor Toon, um de seus pacientes, Genichiro, e o filho deste, Kenzo.

O último voo das borboletas conta uma triste e delicada história de abnegação, mas sua trama nem é o que mais chamou a minha atenção. Os pontos fortes do mangá são, na minha opinião, a reconstituição histórica e os belíssimos traços de Kan Takahama.

Ela é um dos principais nomes do movimento batizado de nouvelle manga, cujos artistas apresentam influências do cinema francês da nouvelle vague e das histórias em quadrinhos franco-belgas. Sua narrativa é intimista e sutil, mesmo nas cenas de sexo e nudez, por exemplo.

A mangaká Kan Takahama.

Beleza e delicadeza

A edição do Pipoca & Nanquim está caprichada como sempre e inclui um glossário, com a explicação de termos e costumes da época em que a história se passa, e um posfácio da autora, no qual Kan Takahama explica como foi seu processo de pesquisa.

Apesar do estranhamento natural de ler da direita para a esquerda, gostei muito dessa minha primeira experiência com um mangá. Recomendo O último voo das borboletas pra quem procura um drama de época escrito e desenhado com muita beleza e delicadeza.

capa-o-ultimo-voo-das-borboletas

O ÚLTIMO VOO DAS BORBOLETAS
Autora: Kan Takahama
Tradução: Drik Sada
Editora: Pipoca & Nanquim
Páginas: 172
Onde comprar: Amazon


Postado por Lucas Furlan

É formado em Comunicação Social e trabalha com criação de conteúdo para a internet. Toca guitarra e adora música e cinema, mas, antes de tudo, é um leitor apaixonado por livros.

2 comentários em “Resenha | O último voo das borboletas, de Kan Takahama

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s