Resenha | Um conto de Natal, de China Miéville

UM CONTO DE NATAL
Autor: China Miéville
Tradução: Fábio Fernandes
Editora: Boitempo
Páginas: 38
Avaliação: 4-estrelas-muito-bom / Muito bom
Onde baixar: Amazon

Algumas pessoas já tinham me indicado a leitura de China Miéville. O autor inglês é inserido num gênero conhecido como New Weird, um misto de fantasia, ficção científica e terror, com influências que vão de Kafka ao cineasta David Cronenberg.

Eu ainda não li nenhum de seus romances mais conhecidos, como A cidade e a cidade (vencedor do Hugo Awards de 2010) ou Estação Perdido — ambos publicados no Brasil pela Boitempo —, mas encontrei esse eBook de Um conto de Natal na Amazon, que pode ser baixado gratuitamente.

Natal registrado®

O conto se passa num futuro próximo, onde o Natal se tornou uma marca registrada. Por isso, as comemorações natalinas oficiais e legalizadas são apenas as organizadas pela empresa NatividadeCo. Os cidadãos que não tem ligação com a corporação não podem celebrar o Natal de forma plena: nada de presentes, árvores enfeitadas ou Papai Noel.

O narrador do conto é um pai que ganha numa loteria o direito de participar de uma festa natalina oficial ao lado da filha adolescente. No caminho para o evento, eles se veem no meio de uma imensa manifestação, na qual diferentes grupos protestam pelo direito de celebrar o Natal.

Entre os “natalinos radicais” (os manifestantes realmente são chamados dessa forma) estão, por exemplo, os “Pequenos ajudantes de Papai Noel” (formado por homens baixinhos) e os “Red and white blocks” (a versão natalina dos Black Blocks).

O escritor ingês China Miéville. (Foto: Geraint Lewis/Rex/Shutterstock)

Irônico e sagaz

O texto de Miéville é muito irônico, e os termos relacionados ao Natal são sempre escritos com o símbolo de marca registrada (presentes®, Papai Noel®, etc.). O autor faz graça com os manifestantes, mas também trata de forma sarcástica as privatizações, a repressão policial e, é claro, a comercialização do espírito natalino.

Um conto de Natal é uma narrativa muito sagaz e é um bom contato inicial com a obra de China Miéville — que tem entre seus admiradores nomes como Neil Gaiman e Ursula K. Le Guin. Minha curiosidade em relação aos livros do autor inglês só aumentou!

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s