Resenha | A metamorfose, de Franz Kafka

A metamorfose
Autor: Franz Kafka
Tradução: Modesto Carone
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 102
Compre pela Amazon: amzn.to/2s4BSDP

A novela A metamorfose, escrita por Franz Kafka em 1912 e publicada três anos depois, é uma das obras mais influentes de toda a história da literatura. Nela, o escritor tcheco antecipa um tema muito caro aos escritores e filósofos do século XX: o absurdo da vida moderna. Kafka toma como ponto de partida uma situação inusitada: um homem que acorda transformado num inseto.

Um início inesquecível

Mesmo quem nunca leu Kafka, já se deparou em algum momento com o início de A metamorfose:

Quando certa manhã Gregor Samsa acordou de sonhos intranquilos, encontrou-se em sua cama metamorfoseado num inseto monstruoso.

(Só um detalhe: muita gente pensa que Gregor se transforma numa barata, mas, como fica claro na tradução de Modesto Carone, o tipo de inseto não é especificado.)

Além desse acontecimento bizarro, a originalidade de A metamorfose está na forma como Kafka faz com que os personagens reajam a essa situação: com uma surpreendente naturalidade. Ao invés de se questionar como e por que se transformou num inseto gigante, Gregor Samsa só se preocupa com seu atraso no emprego.

Com isso, o começo do livro chega a ser engraçado – poderia ser um esquete do Monty Python: Samsa não tem nem tempo de pensar se seria possível reverter a metamorfose; ele precisa aprender a controlar o novo corpo pra conseguir se levantar da cama e pegar o próximo trem. Seus pais e a irmã começam a bater na porta pra perguntar se ele já se levantou, e até o gerente da firma aparece para questionar o motivo do atraso.

Mas, nas páginas seguintes, o humor vai embora, ainda que o absurdo permaneça.

O que causou a metamorfose?

Depois que a situação de Gregor é descoberta, a relação de sua família com ele também passa por uma metamorfose: ele começa a ser mantido em seu quarto, tendo o mínimo de convívio familiar possível. É como se Gregor Samsa estivesse doente, mas não há nenhum tipo de busca por uma cura. Justo ele que, antes, era o responsável por manter financeiramente a casa.

Com o passar do tempo, Gregor vai se transformando mais e mais num inseto: ele para de falar (embora continue sendo uma criatura racional), começa a caminhar pelas paredes e passa a se alimentar de restos de comida. Consequentemente, também começa a despertar cada vez mais repulsa.

Não fica claro em nenhum momento o que causou a metamorfose do protagonista, mas dá pra saber que a vida dele não era fácil: tinha um emprego do qual não gostava (era caixeiro viajante) e no qual se sentia explorado; a relação de sua família com ele era parasitária; não tinha um relacionamento amoroso… Mas ninguém parecia perceber que Gregor Samsa passava por tudo isso.

Franz Kafka (1883-1924).

Uma obra autobiográfica?

Kafka coloca em Gregor muitas de suas próprias dores e frustrações (ele também tinha problemas com o pai e não gostava do seu emprego numa companhia de seguros), e é como se dissesse que o homem moderno – ele próprio, inclusive – estava sendo transformado num inseto, se não fisicamente, em toda a sua essência.

Um inseto que deveria ser mantido alienado, nas sombras, sem vontade própria e longe de seus verdadeiros desejos e ambições. Kafka devia se sentir assim: para se sustentar, não podia abandonar o emprego e, com isso, era incapaz de se dedicar o tanto que gostaria à literatura – como sabemos atualmente, sua verdadeira vocação.

O texto de A metamorfose não envelheceu e continua aberto a diferentes interpretações até hoje. Apesar do tema complicado, o estilo de Kafka é acessível e o livro é bem curto. O escritor influenciou autores como Jorge Luis Borges e Gabriel García Márquez (pra ficar em apenas dois de seus incontáveis adoradores)…

Ou seja: você pode até não vir a gostar – eu gosto muito -, mas não tem desculpa para não ler. É uma obra-prima obrigatória.

AVALIAÇÃO

5-estrelas-2

Fotos: Lucas Furlan 

11 comentários em “Resenha | A metamorfose, de Franz Kafka

    1. Verdade, Leonor? Bom, não dá pra negar que o tema de “A metamorfose” é meio indigesto, né? Mas acho que é muito importante dar uma chance a uma obra tão influente, mesmo que você acabe não gostando dela – afinal, cada um tem seu gosto 🙂

      Muito obrigado pelo comentário! Até!

      Curtido por 1 pessoa

  1. Oi Lucas!
    Antes de qualquer coisa, preciso dizer que estou encantada com seu texto. Em poucos parágrafos você conseguiu transmitir ao leitor a magnitude dessa obra. Ou a magnitude de Kafka, eu diria!
    Ele é um de meus autores preferidos. Essa característica de colocar o absurdo como algo comum, me encanta.
    Amei A Metamorfose. Acho que é uma obra cujas entrelinhas trazem reflexões importantes, como sobre a utilidade do ser humano com o passar do tempo, por exemplo. Além de ser uma aula de escrita, né?!
    Parabéns pela resenha!
    Beijos!

    Mais Uma Página

    Curtido por 1 pessoa

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s