Resenha | Led Zeppelin – Quando os gigantes caminhavam sobre a Terra, de Mick Wall

Capa-Quando-os-gigantes-caminhavam-sobre-a-TerraLed Zeppelin – Quando os gigantes caminhavam sobre a Terra
Autor: Mick Wall
Tradução:
Elvira Serapicos
Editora:
Globo Livros
Páginas:
568
Compre pela Amazon: amzn.to/2v4zhKs

A Globo Livros lançou uma nova edição de Led Zeppelin – Quando os gigantes caminhavam sobre a Terra, que é considerada por muitos como a biografia definitiva da banda inglesa. A tradução é a mesma da edição da Larousse, publicada em 2009.

O livro foi escrito pelo veterano jornalista musical Mick Wall, que é um especialista em biografias musicais. Ele já lançou obras sobre o Black Sabbath, Metallica, AC/DC e, mais recentemente, Lemmy Kilmister, baixista e vocalista do Motorhead (todas foram publicadas no Brasil pela Globo Livros).

Mick-Wall
O escritor e jornalista Mick Wall.

Luzes e sombras

Nenhum fã do Led Zeppelin (ou de rock) pode reclamar de Quando os gigantes caminhavam sobre a Terra. O livro traça um panorama completo da carreira do quarteto inglês, desde a juventude de seus integrantes até o rumo tomado por eles após o fim da banda. O empresário Peter Grant, considerado, com justiça, como o quinto membro do Zeppelin, tem tanto destaque na obra quanto os músicos.

O guitarrista Jimmy Page, ao tentar explicar a sonoridade do grupo, sempre cita uma mistura de “luzes e sombras”. No livro, Mick Wall parece partir do mesmo princípio e expõe todas as faces, boas e ruins, dos integrantes do Zep.

Page é apresentado como um gênio e o grande mentor musical da banda, mas seu vício em heroína e seu envolvimento com o ocultismo também são abordados; o baixista John Paul Jones aparece como um músico excepcional, mas que conduz a carreira de forma um tanto burocrática e até desinteressada; o genial baterista John Bonham é uma figura contraditória, um verdadeiro “fio desencapado”: para suportar a saudade da esposa e da família na longas turnês, ele mergulhava de cabeça nas drogas, na bebida e no sexo, exibindo um comportamento violento e autodestrutivo (sua morte em 1980, aos 32 anos, foi o ponto crucial para o fim da banda); e o empresário Peter Grant é descrito como um dos grandes responsáveis pelo sucesso do Led Zeppelin, graças à sua inteligência, habilidade nos negócios e poder de persuasão (que as vezes incluía um pouco de força bruta).

Mas, pra mim, Robert Plant acabou se revelando o personagem mais surpreendente. Antes de ler o livro, eu imaginava o vocalista “apenas” como um cantor com uma voz incrível, que exagerava em sua imagem de símbolo sexual e se definia como “um deus dourado”. Mas, além do lado hedonista, Plant é descrito como um homem extremamente centrado e que foi decisivo em várias decisões importantes tomadas pela banda.

É impossível não ficar tocado ao ler sobre a tragédia pela qual ele passou (ao perder o filho Karac, de apenas 5 anos, num acidente de carro) e não admirar sua personalidade sempre voltada para o futuro (Plant prefere investir em seus projetos pessoais a voltar a tocar com Page e Jones, e não gosta de cantar Stairway to heaven, pois ela não significa tanto pra ele atualmente quanto na época em que foi composta).

Led-Zeppelin-e-Peter-Grant
Da esq. para a dir.: John Paul Jones, Jimmy Page, Robert Plant, Peter Grant e John Bonham.

Biografia não-autorizada

É preciso alertar, porém, que Quando os gigantes caminhavam sobre a Terra não é uma biografia autorizada pela banda. Isso não impede que Mick Wall (que conviveu e fez diversas entrevistas com os músicos e ex-funcionários do Led Zeppelin) trate de todos os assuntos que os fãs querem saber: a forma como Page escolheu os músicos após o fim dos Yardbirds; o estouro nos Estados Unidos antes da Inglaterra; a produção de cada disco; as críticas da imprensa musical; as acusações de plágio; os excessos de uma banda de rock nos anos 70; como o surgimento do punk afetou a banda e etc.

Uma curiosidade sobre o texto é que o autor inseriu alguns trechos em itálico, que seriam uma espécie de descrição da consciência dos músicos. Nesse exemplo, Wall imagina o que se passava pela cabeça de Jimmy Page antes da formação do Zeppelin, quando o guitarrista tocava com os Yardbirds e era um requisitado músico de estúdio:

Você é Jimmy Page. Estamos no verão de 1968 e você é um dos mais conhecidos guitarristas de Londres – e um dos menos famosos. Mesmo os dois últimos anos com os Yardbirds não lhe trouxeram o reconhecimento que você sabe que merece.

Quando os gigantes caminhavam sobre a Terra é um livro excelente. A edição da Globo não tem capa dura como a edição da Larousse, mas eu até prefiro a capa atual (que mostra todos os integrantes, ao invés da anterior, que tinha apenas Page). O título da obra não poderia ser mais perfeito: se existe uma banda que, por sua sonoridade, impacto e influência, se aproxima da imagem de um gigante, essa banda é o Led Zeppelin.

AVALIAÇÃO

5-estrelas-2

Imagens extraídas da internet.

2 comentários em “Resenha | Led Zeppelin – Quando os gigantes caminhavam sobre a Terra, de Mick Wall

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s